O Divina

História

Inauguração em 1969, com a benção de Dom Vicente Scherer, então Arcebispo de Porto Alegre

O Hospital Divina Providência foi fundado em 31 de maio de 1969. Sua história inicia em 1960, com um apelo do então Arcebispo de Porto Alegre, Dom Vicente Scherer, às Irmãs da Congregação da Divina Providência, para que prestassem atendimento médico e espiritual aos moradores dos bairros Cascata e Glória.

A Congregação, fundada na cidade alemã de Münster, em 1842, chegara ao Rio Grande do Sul em 1918, após realizar diversas missões humanitárias em outros estados brasileiros. Na capital gaúcha, administrava o Hospital Beneficência Portuguesa desde 1923, atuando também no extinto Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Estivadores e Transportes de Cargas (IAPTEC), hoje Hospital Presidente Vargas.

No Glória, as Irmãs cuidavam da Casa Araceli — um residencial geriátrico para padres e moradores da região — onde hoje fica o prédio administrativo do Divina. Trabalhavam conforme sua missão, expressando o CARISMA através de respostas concretas aos principais problemas da época.

Para viabilizar seu projeto assistencial, Dom Vicente Scherer confiou às madres superioras uma área de 22 hectares, pertencente à Associação Beneficente Fraterno Auxílio. Não foi um pedido; foi uma missão, assim compreendida e executada pelas Irmãs. Após dois anos de estudos de viabilidade técnica, iniciou-se então a construção. Era meados de 1962.

A história se repete. Como acontecera em Münster 120 anos antes, quando da construção da primeira instituição de caridade da Congregação, o sonho esbarra na dificuldade financeira. Foi preciso criatividade, coragem e confiança para progredir. As irmãs negociaram financiamento com o governo do Estado. A Sociedade Sulina Divina Providência — entidade mantenedora — contribuiu; a comunidade também. Vieram recursos da Alemanha e da Holanda.

Primeira missão da Congregação no RS iniciou em 1918, no Hospital Beneficência Portuguesa, em Pelotas

Inauguração da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Divina Providência, em 1984

Sete anos depois, a inauguração. No início, o Hospital Divina Providência operava com apenas 52 funcionários, sob direção técnica de Emílio Scheckel. Hoje são mais de 1300 colaboradores. As Irmãs se envolviam em todas as atividades — contabilidade, enfermagem, cozinha, lavanderia etc. — como acontece até hoje, em menor proporção.

Fundamentado por princípios cristãos e ideal humanitário, o hospital cresceu e se modernizou, sem nunca deixar de lado o enfoque social. A instituição financia atividades das Irmãs nas áreas de Educação, na Pastoral (paroquial, urbana e periférica) e na Saúde curativa e preventiva. Além do Divina Providência, a Sociedade Sulina mantém ainda os hospitais São José, Santa Isabel e Independência, esse com atendimento 100% SUS.