Notícias

18/11/2020

Nosso pequenos lutadores

Ontem, 17 de novembro, foi o Dia da Prematuridade. Data para lembrar que, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 15 milhões de bebês nascem prematuros a cada ano - mais do que um a cada 10 bebês. É um quadro triste, pois cerca de 1 milhão morrem anualmente por complicações do parto prematuro, e muitos que sobrevivem enfrentam uma vida de dificuldades de aprendizagem e problemas visuais ou auditivos.

Para marcar a data e valorizar a luta dos pequenos e de seus pais, que estão na UTI Neonatal do Hospital Estrela, de Estrela, e do Divina Providência, de Porto Alegre, as equipes prepararam uma surpresa.

Os pitocos foram vestidos de boxeadores, e cada incubadora, transformada em um ringue de boxe. O Estrela aproveitou a oportunidade para falar sobre a nutrição da mãe e aleitamento materno. São 23 bebês que mostraram que têm muito mais força do que imaginamos.

A iniciativa foi tão relevante, que foi destaque nos principais telejornais e jornais do Estado. Confira!

Jornal do Almoço

Correio do Povo

]

Zero Hora

Jornal do Almoço

Record

SBT

Mais sobre a prematuridade

No Brasil, 340 mil bebês nascem prematuros anualmente, o equivalente a 931 por dia ou 6 prematuros a cada 10 minutos. Mais de 12% dos nascimentos no país acontecem antes da gestação completar 37 semanas, o dobro do índice de países europeus. A cada 10 partos no mundo, 1 é de bebê prematuro. (Ministério da Saúde)

Causas de prematuridade:

- malformação fetal;

- patologias maternas: algumas mulheres com diagnóstico de doenças uterinas como mioma, câncer de colo de útero ou colo de útero curto, por exemplo, podem ter parto prematuro. A infecção urinária é comum durante a gravidez, mas não tratá-la pode representar um risco à saúde do bebê, além de provocar parto prematuro. As infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) também podem adiantar o nascimento;

- idade materna: mulheres que engravidam após os 35 anos são mais suscetíveis ao parto prematuro, assim como mães adolescentes, com idade uterina imatura, também apresentam maior risco de antecipar o trabalho de parto;

- tabagismo;

- gestação de múltiplos: atualmente os casos de gestações múltiplas são mais comuns por causa do avanço dos tratamentos de fertilização. Nesses casos, a interrupção da gravidez antes da 37ª semana pode ser uma indicação médica para garantir a segurança e a saúde dos bebês;

- hipertensão: durante a gravidez, algumas mulheres apresentam aumento da pressão arterial, principalmente após a 20ª semana de gestação;

- diabetes gestacional: causada, principalmente, pelo ganho de peso expressivo da mãe. Para combater a hipertensão e a diabetes é preciso manter uma alimentação equilibrada e praticar exercícios físicos com orientação médica.

Confira outras notícias