Notícias

16/07/2018

Infectologista do Hospital Divina Providência repercute alta de mortalidade infantil no Brasil

Texto: Maria Amélia Vargas - CDN Comunicação

A preocupante queda nos índices de vacinação é apontada como uma das causas do crescimento nos casos de mortalidade infantil no Brasil. Dados do Ministério da Saúde mostram que desde 1990, o país registrava queda média anual de 4,9% neste indicador. Pela 1ª vez desde 1990, o país apresentou alta na taxa: foram 14 mortes a cada mil nascidos em 2016; um aumento de 4,8% em relação a 2015, quando 13,3 mortes (a cada mil) foram registradas.

“O vírus da zika é um dos principais causadores dos registros de óbitos. Mas doenças consideradas erradicadas no país, como o sarampo e a poliomielite, voltam a acometer crianças brasileiras”, explica o infectologista do Hospital Divina Providência, Sidnei Alves dos Santos Júnior.    

Alerta para retorno do sarampo no Estado

Em 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou oficialmente o Brasil como território livre do sarampo. Este ano, no entanto, a doença voltou ao país – com sete casos já confirmados no Rio Grande do Sul, além de centenas registrados em Roraima e no Amazonas e um no Rio de Janeiro.

Por isso, o Hospital Divina Providência destaca que a vacina é a única maneira de prevenir a contaminação pelo vírus. A rede pública disponibiliza gratuitamente a Tríplice Viral para a população de 12 meses a 49 anos de idade e para profissionais de saúde e demais pessoas envolvidas na assistência à saúde hospitalar.

Segundo o Ministério da Saúde, esta imunização é muito segura e tem uma eficácia maior que 95%, em média. Os indivíduos que já contraíram sarampo apresentam anticorpos que impedem uma nova contaminação.

“Os principais sintomas da doença são febre e manchas no corpo, acompanhados de tosse, coriza ou conjuntivite”, alerta o infectologista do HDP, Sidnei Alves dos Santos Alves Júnior. Por se tratar de uma doença altamente contagiosa – transmitida por meio de secreções mucosas –, pessoas não imunizadas devem evitar o contato com infectados.

Saiba mais sobre o Sarampo:

O que é?

É uma doença viral exantemática, aguda, potencialmente grave, transmissível e altamente contagiosa.

Principais sintomas:

Em geral, é febre alta, que inicia entre 10 e 12 dias após a exposição ao vírus, e permanece por quatro a sete dias, exantema (manchas vermelhas), coriza, tosse, olhos vermelhos e lacrimejantes, conjuntivite e pequenas manchas brancas no interior das bochechas (que aparecem normalmente 1 a 2 dias após o início do exantema).

Transmissão:

Ocorre pelo contato com as secreções de saliva e espirros de pessoas infectadas. A infecção se produz por disseminação dessas gotículas ou pelo contato direto com o doente. As pessoas infectadas com o vírus podem contagiar outras pessoas no período de quatro a seis dias antes do exantema ou até quatro dias após o início do exantema.

Tratamento:

Não existe tratamento específico para o sarampo. Sendo assim, a indicação é direcionada ao alívio dos sintomas, além de alimentação leve, hidratação e repouso.

Fonte: Ministério da Saúde