Notícias

10/05/2018

Hospitais da RSDP realizam atividades para marcar o Dia Mundial da Higiene das Mãos

Texto: Patrícia Feiten - CDN Comunicação

Ações higienização das mãos no HDP

Ações higienização das mãos no HDP

Ato cotidiano e aparentemente simples, a higienização das mãos ainda representa um grande desafio para as instituições de saúde em todo o mundo. Em comemoração ao Dia Mundial da Higiene das Mãos, campanha da Organização Mundial de Saúde (OMS) voltada aos profissionais do setor, para prevenir infecções em ambientes hospitalares, a Rede de Saúde Divina Providência (RSDP) promoveu uma série de ações  de conscientização com criatividade e bom humor nos seus quatro hospitais. 

O Hospital São José, em Arroio do Meio, deu a largada nas atividades da Rede. No dia 2 de maio, a equipe da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) percorreu todos os setores da instituição, propondo um teste de limpeza das mãos com uma solução contendo luminol (líquido que reage à luz negra e se torna fluorescente, evidenciando falhas na higienização). Após a limpeza das mãos, os colaboradores as colocavam em uma caixa preta e verificavam se o procedimento havia sido eficiente. Os profissionais de saúde também participaram de um jogo de perguntas e respostas, produziram um mural de fotos do Instagram, receberam frascos de álcool gel e folhetos informativos. 

Nos dias 3 e 4, a campanha foi focada nos pacientes, familiares e visitantes. Equipes deram orientações ao público na entrada do hospital e percorreram salas de espera e unidades de internação para destacar a importância da higienização das mãos. Outra ação foi o lançamento do Radar da Higiene da Mãos, um relatório entregue aos coordenadores de cada setor sobre o índice de adesão dos colaboradores aos procedimentos de higienização recomendados pela OMS. “De acordo com a taxa de adesão, a cada mês faremos um novo Radar”, diz a gerente administrativa do HSJ, Fabiane Gasparotto.   

No Hospital Divina Providência, em Porto Alegre, as atividades começaram no dia 7 de maio e prosseguem até o encerramento da 14ª Semana Científica da instituição no fim do mês. Em dias alternados, equipes distribuem flyers (folhetos informativos ilustrados) e porta-crachás com o logotipo da campanha aos profissionais de saúde em todas as áreas assistenciais e de apoio. Também estão abordando os colaboradores de áreas administrativas em pontos estratégicos, como o refeitório e o acesso ao Departamento de Recursos Humanos, onde há maior circulação do público interno. 

“Além de falar sobre a higiene das mãos, distribuímos um folheto com informações sobre identificação precoce da sepse e o tratamento necessário”, diz Taiana Lando, enfermeira coordenadora do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do HDP. Também em dias alternados, a campanha está entregando folhetos a pacientes e acompanhantes nas salas de espera e unidades de internação do HDP.

O Hospital Independência, em Porto Alegre, aderiu à campanha com várias ações. No dia 10 de maio, foram distribuídos aos colaboradores 200 kits de álcool gel e porta-adornos doados pela Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde de Porto Alegre, além de 300 frascos de álcool gel doados pela Purell. Organizada pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do HI, a campanha deu orientações práticas sobre higienização das mãos. Uma equipe do SCIH ficou mobilizada na entrada do refeitório, explicando os procedimentos de limpeza corretos. 

Houve ainda atividades lúdicas, como jogo de perguntas e respostas sobre o tema, com distribuição de brindes. Como parte da programação, o SCIH também forneceu informações sobre a NR-32, norma do Ministério do Trabalho que estabelece medidas de proteção à segurança e à saúde dos profissionais da área, segundo a médica infectologista Patricia da Silva Fernandes. 

No Hospital Santa Isabel, em Progresso, cartazes com orientações e um mural dão visibilidade ao tema de 7 a 11 de maio. A campanha foi incluída na programação da Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT): uma equipe do HSI vem percorrendo todos os setores da instituição, destacando a importância da lavagem das mãos com álcool gel. 

A campanha do Dia Mundial da Higiene das Mãos foi lançada pela OMS em 5 de maio. De acordo com a agência da Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 70% dos profissionais de saúde e 50% das equipes cirúrgicas não praticam rotineiramente a higienização das mãos. Para reverter esse cenário, a OMS propõe o projeto de conscientização “Está em suas mãos prevenir a sepse na assistência à saúde”, enfatizando os cinco principais momentos em que os profissionais de saúde devem higienizar as mãos: 

·      Antes de contato com um paciente 

·      Antes da realização de procedimentos assépticos 

·      Após risco de exposição a fluidos corporais 

·      Após contato com um paciente 

·      Após contato com as áreas próximas ao paciente 

A sepse é uma disfunção orgânica fatal, causada por uma resposta desregulada do corpo a uma infecção. Se não for identificada precocemente e tratada com rapidez, pode provocar choque séptico, falência múltipla de órgãos e até a morte, alerta a ONU.