.: Cancerologia Cirúrgica

 

Dr. Lucas Torelly Filippi

Oncologia é o estudo e o tratamento do câncer. No Divina Providência o atendimento é realizado no seu novo Centro de Quimioterapia ou Unidade de Terapia Oncológica e de Medicamentos de Alta Complexidade

A Unidade de Terapia Oncológica e de Madicamentos de Alta Complexidade, localizada no 2º andar, conta com consultórios médicos, salas de atendimento, Posto de Enfermagem, sala Administrativa e Recepção. Nas salas, o paciente tem à disposição, poltronas, camas com recursos eletrônicos e sofás para que os acompanhantes possam ficar junto ao paciente.

O Centro de Quimioterapia conta com serviço sofisticado e completo ao paciente oncológico, reumatológico e de outras especialidades que exijam tratamento de alta complexidade. A estrutura foi planejada especialmente para oferecer cuidado individualizado e humano, agilidade e qualidade. O Hospital atende particulares e todos os convênios em Quimioterapia, Hemoterapia, Hormonioterapia, Imunoterapia e Pulsoterapia das mais diversas especialidades.

Com uma estrutura adequada, disponível para participar de todas as etapas da assistência, desde a autorização junto aos convênios até a infusão supervisionada, a Unidade de Terapia Oncológica e de Medicamentos de Alta Complexidade, se destaca como uma opção confortável, segura e altamente qualificada ao paciente.

O serviço conta com toda a segurança possível devido à proximidade do suporte hospitalar, tanto no que se refere à logística quanto ao rigor na seleção dos fornecedores de medicamentos. A equipe multidisciplinar que atua na Unidade possui treinamento continuado e de ponta.

Espaço mítico de cura

O Centro de Quimioterapia é tratado como um espaço mítico de cura, aliado aos modernos recursos terapêuticos. As salas foram projetadas com cores suaves e voltadas para o bosque, para que o paciente tenha a sensação de tranquilidade. Nas paredes, poemas de Carlos Drummond de Andrade, Dom Hélder Câmara, Ferreira Gullar e Mário Quintana, retratam a vida de maneira otimista.

Enfermagem assegura excelência no atendimento 

A Equipe de Enfermagem do Centro de Quimioterapia do Hospital Divina Providência atua com base nos princípios de humanização, individualização e ética, assegurando uma assistência de excelência no cuidado com o paciente. Por ser um Centro de alta complexidade, a Equipe de Enfermagem conta com profissionais altamente preparados e capacitados, estando sempre em busca de aperfeiçoamento técnico e científico.

A assistência de Enfermagem adota diretrizes, baseadas em evidências científicas e à legislação vigente, seguindo padrões internacionais de segurança e qualidade. O atendimento busca contemplar todas as necessidades dos pacientes e de seus familiares, através de ações e orientações para proporcionar um tratamento seguro e tranquilo, minimizando a ansiedade, que este tipo de tratamento acarreta.

A Enfermagem do Divina tem a preocupação de assistir o paciente na alta hospitalar, através de orientações verbais e escritas, conforme a terapêutica instituída pelo médico. A Equipe também fica disponível para dúvidas e orientações após a alta, por contato telefônico.

Por meio dessas ações, a Equipe de Enfermagem do Centro de Quimioterapia procura trabalhar de maneira integrada à equipe multidisciplinar composta por médicos, farmacêuticos, nutricionistas, e de todos as outras equipes envolvidas na atenção multidisciplinar ao paciente oncológico.

Cuidados nutricionais melhoram resposta ao tratamento

A avaliação nutricional e o devido acompanhamento com o nutricionista é essencial para melhorar a resposta ao tratamento e dar um aporte ideal de nutrientes.

Dicas nutricionais:

- Aumente o consumo de alimentos protéicos como: carnes magras (frango, peixe, gado magra) ovos, leites, iogurtes e queijos magros;
- Faça de 6 a 8 refeições ao dia;
- Evite alimentos gordurosos como: frituras, salames, salgadinhos, creme de leite, nata, requeijão, queijos gordurosos, pizza, lanches rápidos, doces em geral;
- Caso haja mudanças no paladar estimule temperos aromáticos como: alho, sálvia, manjericão, salsinha, alecrim, folhas de louro, páprica;
- Se houver aparecimento de diarréia diminua frutas e verduras cruas, cereais e retire leites e derivados. Tome bastante água, chás aromáticos, bebidas isotônicas em pequenos volumes várias vezes ao dia;
- Em momentos de constipação consuma muitas frutas e vegetais verdes crus, ameixa preta, granola, farelo de trigo, linhaça moída e beba muita água;
- Veja com seu médico ou nutricionista a possibilidade de usar suplementos alimentares para otimizar seu estado nutricional;
- Para aliviar o incômodo da sensação da boca seca use balas de hortelã, limão ou pingue gostas de limão na água. Quando apresentar lesões na boca diminua o sal na alimentação, prefira temperaturas morna à fria, mude a consistência dos alimentos para pastosos e líquidos como vitaminas de fruta e iogurtes, cremes, purês, sopas liquidificadas com carnes, sorvete;
- Se sentir náuseas prefira alimentos secos, sem molhos cozidos ou refogados sem gordura, pães torrados e biscoitos.

O que é o câncer

Com uma incidência elevada, o Rio Grande do Sul lidera as estatísticas no país. Alguns tumores como mama, cólon e próstata são muito comuns e tem correlação com histórico familiar. Outros tumores como pulmão, boca e bexiga são mais relacionados a hábitos de vida, como o tabagismo e consumo excessivo de álcool.

Câncer é o nome dado a um conjunto de centenas de doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se para outras regiões do corpo. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores.

Causas

As causas são variadas, podendo ser externas ou internas ao organismo, estando ambas interrelacionadas. As causas externas relacionam-se ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. As internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas e estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas.

De todos os casos, 80% a 90% dos cânceres estão associados a fatores ambientais. Alguns deles são bem conhecidos: o cigarro pode causar câncer de pulmão; a exposição excessiva ao sol pode causar câncer de pele e alguns vírus podem causar leucemia, por exemplo.

Tratamento

O tratamento eficaz do câncer deve visar não somente o tumor primário, mas também os que podem ter se disseminado para outras partes do corpo, as chamadas metástases. Por essa razão, a cirurgia ou a radioterapia de áreas específicas do corpo é frequentemente combinada com a quimioterapia, que afeta todo o organismo. Mesmo quando a cura é improvável, os sintomas frequentemente podem ser aliviados com a terapia paliativa, melhorando a qualidade e a sobrevida do indivíduo.

O que é Quimioterapia

É o tratamento com a utilização de medicamentos cuja função é atuar nas células dos tumores, visando destruí-las, ou impedindo seu crescimento, ou aliviando os sintomas causados pelo desenvolvimento do tumor. A quimioterapia pode ser indicada antes ou após uma cirurgia, ou ainda isoladamente. Pode, ainda, ser feita em conjunto com outros tipos de tratamento, como a radioterapia e a imunoterapia. O tratamento a ser feito depende do tipo de tumor, localização e estágio da doença.

Como é feito o tratamento

Pode ser administrada através da veia, por meio de soro; por via oral, através de comprimidos; ou através de injeções intramusculares. Na maioria das vezes não é preciso que o paciente fique internado para fazer a quimioterapia. As aplicações podem ser diárias, semanais ou mensais.

 

 

 

Efeitos colaterais

As drogas quimioterápicas têm a vantagem de se distribuir por todos os locais do corpo, atingindo, desta forma, todas as células que estão com problemas. No entanto, células normais também são atingidas, podendo provocar ou não alguns sintomas. O médico deve ser informado sobre qualquer alteração. Os efeitos mais comuns são náuseas e vômitos, que atualmente são controlados com medicamentos específicos.

Dicas para combater os efeitos colaterais

- Prefira alimentos com rápida digestão;
- não encha o estômago de uma só vez, preferindo fazer várias refeições ao dia;
- evite alimentos gordurosos e frituras;
- coma devagar, mastigando bem os alimentos;
- prefira alimentos frios, gelados, ou em temperatura ambiente;
- procure exercer atividades que não exijam esforço físico e vista roupas leves.

Feridas na boca

Alguns quimioterápicos podem provocar aftas, irritação nas gengivas, na garganta e até feridas na boca. Por isso, mantenha a boca sempre limpa; evite ingerir alimentos duros, quentes, ácidos e condimentados, use cremes dentais mais suaves, fazendo bochechos quando necessário com produtos indicados pelo médico e beba uma maior quantidade de líquidos. Faça sua avaliação dentária.

Febre

Alguns dias após a quimioterapia, pode ocorrer diminuição temporária das defesas do organismo, que fica predisposto a contrair mais facilmente infecções por vírus, bactérias e fungos. A febre é um sinal de alerta para a existência de infecções no organismo. Temperatura acima de 38º c geralmente é indicado contatar o médico.

Diarréia

Algumas drogas podem causar diarréia. Nos casos menos intensos, algumas medidas podem ajudar: mantenha uma alimentação mais líquida (chás, água e sucos); tome leite e derivados e faça pequenas refeições, evitando alimentos gordurosos e frituras. Mantenha-se hidratado.

Queda de cabelo

Alguns medicamentos podem atingir o crescimento e a multiplicação das células que dão origem ao cabelo, podendo provocar a queda, de forma total ou parcial. O processo de nascimento do cabelo se reinicia logo após o término da quimioterapia.

Alterações da pele e unhas

Dependendo do tipo de quimioterapia, o paciente pode apresentar alterações na pele, como vermelhidão, coceira, descamação, ressecamento e manchas. As unhas também podem apresentar escurecimento e rachaduras.

Alimentação

O paciente deve incluir nas refeições frutas, verduras, cereais e carnes. Em geral não é necessária suplementação vitamínica.

Bebidas alcoólicas

Devem ser evitadas, tendo em vista que o álcool pode interagir com os medicamentos utilizados no tratamento, podendo reduzir os efeitos esperados, e aumentando os colaterais.

Atividades físicas e trabalho

Não há contra-indicação à prática de exercícios físicos ou modalidades esportivas. A maioria dos pacientes pode e deve continuar trabalhando durante o tratamento.

Gravidez

Durante o período de quimioterapia a gravidez deve ser evitada, já que as drogas usadas podem causar riscos na formação do bebê.

Uso de outros medicamentos

Alguns medicamentos, mesmo os homeopáticos. "alternativos" e "naturais", podem interferir no tratamento quimioterápico. Por isso, o médico deve ser consultado.

Sintomas que merecem cuidados imediatos

Febre igual ou maior que 38 graus; falta de ar ou dificuldade respiratória; dificuldade de controlar a urina; dificuldade na visão (dupla ou borrada); dor de localização ou intensidade anormal; sangramento em qualquer região.
 

Direitos dos doentes
 

A legislação brasileira assegura aos portadores de neoplasia maligna câncer e outras doenças graves alguns direitos especiais, como FGTS, PIS e Pasep e isenção do pagamento do Imposto de Renda incidente na aposentadoria.
 

O primeiro passo é ter em mãos todos os atestados, laudos médicos, resultados de exames de laboratórios, biópsias e outros. É preciso tirar cópias destes documentos e autenticá-los no Cartório, que passam então a ter o mesmo valor dos originais. Todo o requerimento ou pedido deve ser feito em duas vias, para que o paciente tenha uma cópia do protocolo da solicitação.

 

Isenção do Imposto de Renda na Aposentadoria e Pensão

 

A isenção do Imposto de Renda aplica-se nos proventos de aposentadoria e/ou reforma e pensão recebidos pelos portadores de doenças graves. O doente tem direito à isenção mesmo que a doença tenha sido identificada após a aposentadoria por tempo de serviço ou a concessão da pensão. Caso o pensionista seja portador de doença grave ele também terá direito à isenção de imposto de renda na pensão.
 

O aposentado ou pensionista poderá requerer a isenção junto ao órgão competente, isto é, o órgão pagador da aposentadoria (INSS, Prefeitura, Estado, União) mediante requerimento feito em duas vias, que deverá ser protocolado no respectivo órgão. É necessário laudo pericial oficial emitido pelo serviço médico da União, do Estado ou do Município, comprovando a existência da doença ou deficiência.

Depois de apresentados, os documentos serão analisados, e o pedido de isenção poderá ser deferido. Após o deferimento a isenção é automática. Os documentos necessários e que devem ser juntados ao pedido de isenção são:
 

1. Cópia do Laudo Histo-patológico ou outro exame que comprove a doença;

2. Laudo oficial, de médico da União, do Estado ou do Município que contenha:

a) Diagnóstico expresso da doença;

b) Código da doença de acordo com o CID  Classificação Internacional de Doenças;

c) Menção às Leis nº 7.713/88; nº 8.541/92 e nº 9.250/95 e Instrução Normativa SRF nº 15/01;

d) Data de início da doença;

e) Estágio clínico atual da doença e do paciente;

f) Carimbo legível do médico com o nome e o número do CRM e assinatura.

A isenção deve ser concedida a partir da data da comprovação da doença e/ou deficiência por laudo oficial ou exame. Se a isenção for pedida após algum tempo da doença, é possível solicitar a restituição retroativa do Imposto de Renda pago. A restituição é feita até, no máximo, os últimos cinco anos.

A Receita Federal tem impresso próprio para este pedido de restituição, sendo obrigatório levar prova da aposentadoria e comprovação da doença (laudo médico oficial).

Os portadores de doenças graves que não estão aposentados devem procurar o Poder Judiciário para tentar conseguir igual isenção, pelo princípio da isonomia.

Para saber mais consulte:

www.inss.gov.br

www.receita.fazenda.gov.br

 

Isenção do Imposto na compra de carro (IPI, ICMS, IPVA, IOF)

 

Para gozar das isenções de impostos na compra de veículos é necessário que a pessoa seja portadora de deficiência física, que a impossibilite de dirigir automóveis de fabricação nacional comuns.

Pessoa portadora de deficiência física é aquela que apresenta alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções.

O direito às isenções não surge pelo fato de ter doença grave, é preciso que a mesma ocasione deficiência física, como acima explicado. Neste caso é preciso que o paciente peça ao seu médico um Laudo Médico descrevendo sua deficiência, acompanhado de exame que comprove o fato.

A Lei Federal nº 10.690, de 16 de junho de 2003, e a Lei Federal nº 10.754, de 31 de outubro de 2003, estenderam a isenção do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) às pessoas portadoras de deficiências física, visual, mental severa ou profunda, aos autistas, diretamente ou por intermédio de seu representante legal.

As características especiais do veículo são aquelas, originais (de fábrica) ou resultantes de adaptação, que permitam a adequada utilização do veículo pela pessoa portadora de deficiência física, por exemplo: câmbio automático, direção hidráulica, acelerador do lado esquerdo ou acessado manualmente, etc.
 

O pedido de isenção deve ser dirigido ao Delegado da Receita Federal ou ao Inspetor da Receita Federal de Inspetoria de Classe A do domicílio do deficiente físico (em 3 vias). O veículo adquirido pelo deficiente, com isenção de IPI, só poderá ser vendido após dois anos.

Antes deste prazo é necessária a autorização do Delegado da Receita Federal e o imposto só não será devido se o veículo for vendido a outro deficiente físico. Através de ações judiciais é possível tentar obter autorização de isenção para compra de veículo, antes de dois anos, no caso de roubo ou perda total do veículo anterior.
 

Documentação necessária para obter a isenção do IPI:

1. Obter, junto ao Departamento de Trânsito do Estado onde residir, os seguintes documentos:

a) Laudo de perícia médica, atestando o tipo de deficiência física e a total incapacidade para conduzir veículos comuns, indicando o tipo de veículo, com as características especiais necessárias, que está apto a dirigir;

b) Carteira nacional de habilitação (CNH) com a especificação do tipo de veículo, com suas características especiais, que está autorizado a dirigir, conforme o laudo de perícia médica (se for o caso). Caso o deficiente físico não tenha carta de motorista ele deverá tirá-la no prazo máximo de 180 dias a contar da data de solicitação do Departamento de Trânsito.

2. Apresentar requerimento de acordo com o modelo, em três vias, dirigido ao Delegado da Receita Federal ou ao Inspetor da Receita Federal da Inspetoria de Classe A, do local onde resida o deficiente, com cópias dos documentos acima;

3. Não ter pendências junto à Secretaria da Receita Federal relativas aos impostos federais, como por exemplo, Imposto de Renda;

4. Apresentar certidão negativa do INSS, ou declaração do próprio requerente que não é contribuinte obrigatório do INSS ou de que é isento;

5. Apresentar declaração de disponibilidade financeira. Nos casos onde o condutor do veículo é o responsável legal, a documentação necessária para obtenção da isenção e mesma descrita acima, com exceção do item 1.b), pois neste caso a CNH não precisa ser mudada.

 

FGTS

Todos os trabalhadores regidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), com Carteira de Trabalho assinada a partir de 05/10/88, têm depositado o FGTS - Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Antes dessa data, o trabalhador podia optar ou pela estabilidade ou pelo direito ao FGTS.

Os trabalhadores rurais, os temporários, os avulsos e os atletas profissionais (jogadores de futebol) também têm direito ao FGTS.

Poderá realizar o saque do FGTS, junto à Caixa Econômica Federal, o trabalhador:
 

1. portador de câncer, AIDS e estágio terminal de doenças graves ou

2. que possuir dependente com câncer ou AIDS ou estágio terminal de doenças graves e que esteja previamente inscrito como dependente no INSS ou no Imposto de Renda .
 

Em caso de saque por câncer ou AIDS ou estágio terminal de doenças graves, o trabalhador poderá receber o saldo de todas as suas contas, inclusive a do atual contrato de trabalho. Nesta hipótese, o saque na conta poderá ser efetuado quantas vezes for solicitado pelo trabalhador, desde que este apresente os documentos necessários.

Os valores do FGTS deverão estar à disposição, do trabalhador requerente, para serem retirados, até 5 dias úteis após a solicitação do saque.
 

Documentação necessária para o saque:

1. Carteira de trabalho (original e fotocópia);

2. Comprovante de Inscrição no PIS/PASEP;

3. Original e cópia do Laudo Histo-patológico ou outro exame que comprove a doença;

4. Atestado médico que contenha:

a) Diagnóstico expresso da doença;

b) CID  Classificação Internacional de Doenças;

c) Menção à Lei 8922 de 25/07/94 e Lei 8036 de 11/-5/1990;

d) Estágio clínico atual da doença e situação do paciente;

e) Carimbo legível com o nome do médico e o número do CRM;

f) Assinatura no médico.
 

A Justiça Federal, mediante ação judicial, tem liberado o FGTS para outras doenças graves além de câncer e AIDS que estejam em estado terminal. A validade do atestado é de 30 dias.

Mais informações pelo site www.caixa.gov.br

 

PIS/PASEP

Poderá efetuar o saque das quotas o trabalhador cadastrado no PIS, até 04/10/1988, que for portador de câncer ou AIDS ou cujo dependente for portador destas doenças.
Para fins de saque de quotas do PIS são considerados dependentes:

1. Os inscritos como tal nos institutos de previdência social da União, dos Estados e dos Municípios, abrangendo as seguintes pessoas:

- Cônjuge ou companheiro (a);

- Filho de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido;

- Irmão de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido;

- Pessoa designada menor de 21 anos ou maior de 60 anos ou inválida;

- Equiparados aos filhos: enteado (a), o menor sob guarda, e o menor sob tutela judicial que não possua bens suficientes para o próprio sustento.

2. Os admitidos no regulamento do Imposto de Renda  Pessoa Física, abrangendo as seguintes pessoas:

- Cônjuge ou companheiro(a);

- Filha ou enteada, solteira, separada ou viúva;

- Filho ou enteado até 21 anos ou maior de 21 anos quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;

- Ao menor pobre até 21 anos, que o contribuinte crie ou eduque e do qual detenha a guarda judicial;

- O irmão, neto ou bisneto, sem arrimo dos pais, até 21 anos, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;

- Os pais, os avós ou bisavós;

- O incapaz, louco, surdo, mudo que não possa expressar sua vontade, e o pródigo, assim declarado judicialmente;

- Os filhos, ou enteados, ou irmãos, ou netos, ou bisnetos, se cursando ensino superior, são admitidos como dependentes até completarem 24 anos de idade.

Os documentos necessários para solicitar o saque na Caixa Econômica Federal são:

1. Comprovante de Inscrição no PIS/PASEP;

2. Carteira de Trabalho;

3. Carteira de Identidade;

4. Documentos comprobatórios do motivo do saque:

a) Atestado médico fornecido pelo médico que acompanha o tratamento do portador da

doença, contendo as seguintes informações:

- Diagnóstico expresso da doença;

- Estágio clínico atual da doença e situação do paciente;

- Classificação internacional da doença  CID;

- Menção à Resolução 01/96 do Conselho Diretor do Fundo de Participação PIS/Pasep;

- Assinatura do médico;

- Carimbo que identifique o nome/CRM do médico;

b) Cópia do exame que comprove o diagnóstico.

5. Comprovação da condição de dependência do portador da doença, quando for o caso.
 

O trabalhador poderá receber o total de quotas depositadas. Caso o PIS não esteja cadastrado na Caixa Econômica Federal, o trabalhador deverá verificar junto ao Banco do Brasil se o mesmo não está cadastrado como PIS/Pasep, pois o saque será efetuado da mesma maneira.

 

Mais informações pelo site www.caixa.gov.br

 

 

 

 

 

»  Arritimias Cardíacas (Electrofisiologia)
»  Cancerologia Cirúrgica
»  Cancerologia Clínica
»  Cardiologia
»  Cirurgia da Obesidade
»  Cirurgia Torácica
»  Cirurgia Cardíaca
»  Cirurgia Vascular
»  Cirurgia Geral
»  Cirurgia Plástica
»  Clínica Médica/Residência
»  Clínica Médica
»  Dermatologia
»  Endocrinologia
»  Fonoaudiologia
»  Gastroenterologia
»  Ginecologia/Obstetrícia
»  Ginecologia
»  Hematologia
»  Infectologia
»  Mastologia
»  Neurologia
»  Nefrologia
»  Nutrologia
»  Neurologia Pediátrica
»  Neurocirurgia
»  Otorrinolaringologia
»  Oncologia Cirúrgica
»  Oncologia Clínica
»  Pediatria
»  Pneumologia
»  Psiquiatria
»  Proctologia
»  Reumatologia
»  Traumato/Ortopedia
»  Urologia Oncológica
»  Urologia
Pré-check-in
Banco de Imagens
Bebê na Web
Pronto Atendimento
Fale Conosco
Localização
Trabalhe Conosco
Escola de Saúde
 
Design: 3W ::: Produção e Edição: Seiva Agência de Comunicação - Direitos Reservados