Coronavírus

Informações sobre o Coronavírus

É política da Rede de Saúde Divina Providência a transparência no relacionamento com a comunidade no tocante a informações relevantes ao coletivo. Por este motivo, foi criado este espaço de divulgação sobre a situação do Covid-19 (coronavírus) no Hospital Divina Providência. Diariamente, o status será atualizado com as mais recentes informações.

Boletim Diário RSDP

Boletim diário RSDP

Boletim Atenção Primária HDP

Boletim Atenção Primária HDP

Restrições

A Rede de Saúde Divina Providência, por meio dos representantes dos seus cinco hospitais e dos seus Serviços de Controle de Infecção Hospitalar, definiu as orientações que seguem referentes à restrição de circulação de pessoas em suas instituições. O objetivo é fazer, de forma responsável e serena, ações de enfrentamento à disseminação do Covid-19. Mas, para isso, a adesão da sociedade é fundamental!

Foram diminuídos a quantidade de horários de visitas, bem como o seu tempo e o número de pessoas.

Orientações gerais

  1. Menores de 18 anos não terão autorização para visitas.
  2. Recomenda-se que idosos evitem fazer visitas a pacientes.
  3. Pessoas sintomáticas respiratórias estão impedidas de acompanhar pacientes e de fazer visitação. Casos especiais podem ser avaliados

Orientações específicas por hospitais, considerando suas características individuais

Hospital Estrela (Estrela)

Suspensão de cirurgias eletivas a partir de 1° de abril.

Suspensão total de visitas aos pacientes a partir de 30 de março.

Reiteramos que o atendimento no Pronto Socorro deve ser somente para urgência e emergência. Casos sem gravidade devem ser atendidos nas Unidades Básicas de Saúde.

Hospital Santa Isabel (Progresso/RS)

Permissões por Setores:

  1. Unidades de Internação: 1 visitante, podendo estender a visita por 1 hora, das 14h às 15h.
    • Para os pacientes que tiverem acompanhante, a recomendação é intercalar com o visitante.
    • A permanência de 1 acompanhante por paciente internado, nos casos determinados por lei.
  2. Centro Cirúrgico: 1 acompanhante com mais de 18 anos.
  3. Serviços Ambulatoriais: Ultrassonografia, Raio X e Laboratório de Análises Clínicas: Para o paciente maior de 18 anos, não será permitido o acompanhamento de outra pessoa. Já para crianças e idosos, 1 responsável pode acompanhá-los.
Hospital São José (Arroio do Meio/RS)

Permissões por Setores:

  1. Unidades de Internação: 1 visitante, podendo estender a visita por 1 hora, das 14h às 15h.
    • Para os pacientes que tiverem acompanhante, a recomendação é intercalar com o visitante.
    • A permanência de 1 acompanhante por paciente internado, nos casos determinados por lei.
  2. Centro Cirúrgico: 1 acompanhante com mais de 18 anos.
  3. Centro Obstétrico: 2 acompanhantes.
  4. Serviços Ambulatoriais: Endoscopia Digestiva Alta, Ecografia, Raio X, Mamografia e Tomografia: Para o paciente maior de 18 anos, não será permitido o acompanhamento de outra pessoa. Já para crianças e idosos, 1 responsável pode acompanhá-los.
Hospital Independência (Porto Alegre)

Critérios para permanência de acompanhantes:

  • Pacientes menores de 18 anos, acima de 60 anos e pessoas com deficiências;
  • Pessoas sintomáticas respiratórias estão proibidas de acompanhar pacientes.

Critérios para visitantes:

  • Unidades de internação: as visitas estão temporariamente suspensas;
  • UTI: um visitante por dia com permanência de 30 minutos;
  • Proibida a entrada de menores de 18 anos;
  • Pessoas sintomáticas respiratórias estão proibidas de realizar visitação.

Critérios para acesso ao ambulatório:

  • Pacientes com sintomas respiratórios devem receber, ao ingressar na portaria, uma máscara cirúrgica para uso durante toda a permanência na Instituição;
  • Acompanhantes somente para pessoas menores de 18 anos, acima de 60 anos, pessoas com deficiências ou que necessitem de auxílio para locomoção.

Cirurgia eletivas:

  • Suspensão de cirurgias eletivas a partir de 23 de março.
Hospital Divina Providência (Porto Alegre)

Permissões por Setores

  1. Área Cirúrgica: 1 acompanhante por paciente que realizará procedimento
  2. Centro Obstétrico: 2 acompanhantes, sendo que apenas 1 poderá acompanhar o parto e o outro ficará na sala de espera, aguardando para ver o bebê pelo visor
  3. Emergência: 1 visitante no horário das 11h às 11h30
  4. CTI Adulto: 1 visitante no horário das 15h30min às 16h
  5. UTI Neonatal: livre somente para os pais, em horário alternado
  6. Unidades de Internação: 1 acompanhante de paciente (permanente) + 1 visitante no horário das 17h às 18h, alternando, se possível.

Além do exposto acima, a Rede de Saúde Divina Providência suspendeu todos os eventos científicos e institucionais até 30 de junho; as reuniões e os treinamentos internos estão restritos a 10 pessoas.

Essas orientações são válidas por tempo indeterminado. Novas normativas podem ser anunciadas a qualquer momento, se necessário. colocar essas frases depois das orientações gerais, fora dos “submenus” com nome dos hospitais.

Cirurgias Eletivas:

As cirurgias eletivas serão reagendadas conforme as recomendações dos Conselhos Federal e Regional de Medicina, Conselho Brasileiro de Cirurgiões e da Agência Nacional de Saúde. Em relação às cirurgias oncológicas e cardíacas, será feita uma avaliação individual e somente as intervenções consideradas indispensáveis serão realizadas. O HDP está entrando em contato com os pacientes agendados para a reprogramação dos procedimentos.

Atendimento Preferencial

Hospital Divina Providência

Unidade Fast Track (atendimento rápido)

  • Anexo externo que atende das 7h às 19h todos os dias da semana
  • Exclusivo para pacientes com sintomas gripais
  • Profissionais de saúde exclusivos para a assistência aos sintomáticos
  • Aceita convênios e/ou particular
  • Estrutura: 2 consultórios, sala de espera, sala de triagem, sala de coleta

Perguntas Frequentes

1. O que é Coronavírus?

É uma família que causa, especialmente, infecções respiratórias. O novo Coronavírus foi identificado pela primeira vez na China, em 31 de dezembro de 2019, e causa uma doença chamada COVID-19.

2. Que doenças ele causa?

Esse vírus pode causar desde doenças bem leves, como um resfriado, até casos graves, com necessidade de internação em UTI.

3. Quais são os sintomas dessas doenças?

Os sintomas mais comum são febre, tosse, dores pelo corpo e dificuldade para respirar.

4. Como acontece a infecção por esse vírus?

A transmissão de Coronavírus acontece por via respiratória, assim como a gripe, por exemplo. Isso pode acontecer de maneira direta, pelo contato com secreções, ou indireta, através das mãos e por superfícies contaminadas com o vírus.

5. Qual a gravidade da doença causada pelo Coronavírus?

Em cerca de 80% dos casos a doença é leve e não requer internação hospitalar. Em 5% acontecem complicações graves e que necessitam de cuidado em UTI.

6. Existe algum tratamento?

Até o momento, não existe nenhum tratamento específico para essa doença. As medidas tomadas têm como objetivo aliviar os sintomas e oferecer suporte para tratamento das complicações relacionadas à doença.

7. Há alguma vacina que previna a infecção?

Até o momento, não existe vacina para prevenir o Coronavírus.

8. Que medidas podem ser tomadas para prevenir?

As principais medidas são:

  • evitar contato com pessoas com a doença;
  • higienizar as mãos com frequência (com álcool gel ou água e sabão);
  • usar lenço, preferencialmente descartável, para tossir ou espirrar. Não havendo lenço disponível, utilizar o antebraço para cobrir a boca, evitando o uso da mão;
  • evitar permanecer ficar em ambientes com aglomeração de pessoas;
  • manter os ambientes ventilados;
  • visitar instituições de saúde somente se for estritamente necessário;
  • não compartilhar objetos pessoais.
9. Deve-se preferir álcool gel ou água e sabão para higienizar as mãos?

As duas técnicas são eficazes, não há preferência de uma sobre a outra.

10. Quais são os cuidados que devo tomar ao tossir ou espirrar?

Usar lenço, preferencialmente descartável para cobrir a boca. Não havendo lenço disponível, utilizar o antebraço para isso, evitando o uso da mão.

11. Quem corre mais risco com essa doença?

Idosos e pessoas com doenças como hipertensão, diabetes, câncer, doenças respiratórias crônicas, cardiovasculares e com baixas nas defesas tem uma possibilidade maior de ter complicações.

12. Todas as pessoas com Coronavírus devem internar no hospital?

Não. A decisão de ser internado ou fazer acompanhamento ambulatorial depende da gravidade da doença.

13. Se conheço alguma pessoa infectada, devo tomar alguma precaução?

Deve-se evitar o contato com pessoas doentes. Se isso for imprescindível, a pessoa doente deve usar máscara no momento do contato.

14. Que cuidados uma pessoa diagnosticada com Coronavírus deve tomar?

A principal medida é seguir o isolamento domiciliar. A pessoa deve ficar na sua casa, preferencialmente no seu quarto, mantendo o ambiente ventilado.

15. Devo ter algum cuidado ao viajar de avião?

Durante o período de grande número de casos, devem-se evitar viagens desse tipo. Se ela for inevitável, o ideal é higienizar as mãos com frequência e procurar manter uma distância de pelo menos um metro de outras pessoas, principalmente se alguém tiver sintomas respiratórios.

16. O que posso fazer para me proteger ao usar o sistema público de transporte?

Higienizar as mãos com frequência, manter o ambiente ventilado, ter os cuidados com a tosse e espirros. Se a pessoa estiver com sintomas respiratórios, deve evitar o uso do transporte público.

17. Se eu sou profissional da saúde, quais cuidados devo ter atenção?

Deve-se fazer uso dos equipamentos de proteção individual: avental, luvas, óculos de proteção e máscara. Para o cuidado geral, deve-se usar máscara cirúrgica. Nos procedimentos que geram aerossóis, como intubação endotraqueal e aspiração de secreções, usa-se a máscara N-95 ou PFF-2.

18. Quando devo fazer teste para saber se estou com Coronavírus?

É recomendado fazer o teste apenas se há suspeita de doença, ou seja, se a pessoa tem sintomas compatíveis com essa doença.

19. Se estou doente, que sintomas devem me fazer procurar atendimento no hospital?

O principal sintoma que deve fazer você retornar ao hospital é falta de ar. Se você estiver com frequência respiratória maior que 22 movimentos por minuto, com a pressão arterial baixa ou com alteração do estado de consciência, principalmente se tiver sonolência, também deve buscar atendimento.

20. O uso de ibuprofeno pode causar algum problema para pessoas com Coronavírus?

Até o momento, não existe comprovação de problemas causados pelo uso de ibuprofeno em pessoas com essa doença. Em 18 de março, a Organização Mundial da Saúde emitiu um comunicado no qual não contraindica o uso dessa medicação em pacientes com Coronavírus. Se uma pessoa com essa virose sente-se insegura em relação ao uso desta medicação, pode substituí-la por algum outro antitérmico ou analgésico.

21. Existe algum serviço que ofereça informações sobre Coronavírus?

Informações atualizadas podem ser obtidas nos sites do Ministério da Saúde, da Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul e da Secretaria da Saúde do Município de Porto Alegre. Também podem-se encontrar informações pelos telefones 156, da Prefeitura de Porto Alegre, e 136, do Ministério da Saúde. Atualizações de casos do Brasil e RS podem ser obtidas no site do Ministério da Saúde e no Twitter da Secretaria da Saúde de Porto Alegre onde são atualizados os dados da cidade.

Doações

Com os EPIs sendo usados em larga escala no mundo inteiro, a possibilidade de escassez dos insumos faz com que os hospitais se mobilizem, buscando donativos.

Com cinco hospitais distribuídos na Capital do RS e no Vale do Taquari, a Rede de Saúde Divina Providência busca a ajuda de pessoas físicas e jurídicas para fazer frente às estratégias de combate ao coronavírus. Assim, a solicitação de doações é pelos seguintes equipamentos:

  • avental descartável
  • álcool gel
  • luvas de procedimentos
  • máscara pff2 n95
  • máscara descartável com tiras ou elástico
  • termômetro infravermelho
  • oxímetro

Além das doações dos equipamentos, há a possibilidade de apoio financeiro para os hospitais. As doações podem ser realizadas, por meio de depósito bancário ou boleto. Para mais informações: Viviane Cristina Schuh. doacoes@divinaprovidencia.org.br | Tel: (51) 3320.6000 Ramal: 6502. E, em cada hospital, na lista mais abaixo.

O Comitê de Enfrentamento da Rede definiu ações estratégicas voltadas à prevenção e ao controle da doença Covid -19. As medidas contemplam, prioritariamente, o uso de paramentação dos profissionais da saúde nos momentos de exposição ao risco.

Hospital Independência – Porto Alegre
CNPJ: 87317764/0006-06
Banrisul – agência: 0047
CC: 06.071067.0-9

Hospital Santa Isabel – município de Progresso
CNPJ: 87317764/0007-89
Banrisul – agência: 1058
CC: 06.002070.0-3

Hospital São José - município de Arroio do Meio
CNPJ: 87297271.0001-39
Banco do Brasil - agência: 8326-7
CC: 151-1

Hospital Estrela - Município de Estrela
CNPJ: 87317764/0011-65
Banrisul – agência: 0214
CC: 06.062591.0-2

Hospital Divina Providência – Porto Alegre
CNPJ: 87317764/0010-84
Banrisul – agência: 0047
CC: 06.005316.0-9

Fake News

Fake: O Brasil possui vacina e medicamentos que curam o COVID – 19
Verdade: Diferente do que tem se vê nas redes sociais, o COVID-19 é um vírus que ainda não tem cura, e nenhuma vacina esta apta a impedir o contagio e impacto do vírus em nosso sistema imunológico.

Fake: Em uma superfície de metal, o coronavírus resiste por 12 horas. Lavar as mãos com água e sabão é suficiente para destruí-lo.
Verdade: Os estudos ainda estão em andamento, não se tem certeza de como o vírus se mantém vivo. A única certeza é a forma do seu contágio e as medidas preventivas.

Fake: Sobre tecidos, o vírus permanece vivo por nove horas. Portanto, lavar a roupa ou colocá-la ao sol, durante duas horas, será suficiente para eliminá-lo.
Verdade: Não existe estudo que comprove a longevidade do vírus nos tecidos. Conforme orientação do Ministério da Saúde, a higienização correta é essencial, ou seja, a utilização de produto de limpeza adequado na higienização das roupas.

Fake: Se eu estiver apenas com dor de garganta, já devo procurar urgente o Hospital.
Verdade: Se apresentar sintomas como febre, tosse e dificuldade para respirar, não vá direto a um hospital. Ligue para a Vigilância em Saúde para receber orientações. Porto Alegre: 156. Região Metropolitana e Interior: 150,

Fake: Em isolamento domiciliar, posso circular por todos os cômodos, sem risco de contaminar quem vive comigo.
Verdade: Nessa condição, o paciente deve ser mantido em casa, recebendo cuidados como hidratação e repouso. Os familiares devem tomar precauções, como evitar compartilhamento de objetos pessoais, contatos com secreção do paciente e fazer a higienização constante das mãos e do ambiente.

Fake: Toda população deve usar mascara e seguir circulando com suas atividades normais.
Verdade: No momento, o uso de máscaras, principalmente N95, deve ser utilizada apenas pelos profissionais da saúde na linha de frente. Mas todos devem, sempre, fazer a higienização das mãos com água e sabão ou álcool gel, e evitar contato com mucosas de nariz, boca e olhos.

Fake: O Governo disponibilizou a vacina 2020 para combater a gripe e nos proteger do COVID-19.
Verdade: O Ministério da Saúde iniciou na segunda-feira, 23, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. A iniciativa traz como alerta o fato de a vacina não ter eficácia contra o coronavírus, mas proteger contra os outros tipos de vírus da gripe.

Fake: Ministério da Saúde sugere que, para o combater o coronavírus, o cidadão deve beber água quente e permanecer sempre com a garganta molhada.
Verdade: A mensagem compartilhada é falsa. Os meios de evitar o contágio pelo Covid-19 são evitar locais com aglomeração de pessoas, fazer o uso de álcool em gel e lavar as mãos regularmente.

Fake: O coronavírus, antes de atingir os pulmões, permanece na garganta por 4 dias e, nesse período, a pessoa começa a tossir e sentir dores na garganta.
Verdade: O vírus é aspirado e vai da parte superior para a inferior do trato pulmonar, mas isso é uma coisa instantânea.

Fake: Desinfetantes antibactericidas não têm eficácia contra a doença.
Verdade: Segundo o Centro de Controle de Doenças do país, é perfeitamente possível usar o item para higienizar as mãos quando não há água e sabão disponíveis.