Coronavírus

Informações sobre o Coronavírus

É política da Rede de Saúde Divina Providência a transparência no relacionamento com a comunidade no tocante a informações relevantes ao coletivo. Por este motivo, foi criado este espaço de divulgação sobre a situação do Covid-19 (coronavírus) no Hospital Divina Providência. Diariamente, o status será atualizado com as mais recentes informações.

Boletim Diário RSDP

Boletim diário RSDP

Restrições

A Rede de Saúde Divina Providência, por meio dos representantes dos seus cinco hospitais e dos seus Serviços de Controle de Infecção Hospitalar, definiu as orientações que seguem referentes à restrição de circulação de pessoas em suas instituições. O objetivo é fazer, de forma responsável e serena, ações de enfrentamento à disseminação do Covid-19. Mas, para isso, a adesão da sociedade é fundamental!

Foram diminuídos a quantidade de horários de visitas, bem como o seu tempo e o número de pessoas.

Orientações gerais

  1. Menores de 18 anos não terão autorização para visitas.
  2. Recomenda-se que idosos evitem fazer visitas a pacientes.
  3. Pessoas sintomáticas respiratórias estão impedidas de acompanhar pacientes e de fazer visitação. Casos especiais podem ser avaliados

Orientações específicas por hospitais, considerando suas características individuais

Hospital Estrela (Estrela)

Suspensão de cirurgias eletivas a partir de 1° de abril.

Suspensão total de visitas aos pacientes a partir de 30 de março.

Reiteramos que o atendimento no Pronto Socorro deve ser somente para urgência e emergência. Casos sem gravidade devem ser atendidos nas Unidades Básicas de Saúde.

Hospital Santa Isabel (Progresso/RS)

Permissões por Setores:

  1. Unidades de Internação: 1 visitante, podendo estender a visita por 1 hora, das 14h às 15h.
    • Para os pacientes que tiverem acompanhante, a recomendação é intercalar com o visitante.
    • A permanência de 1 acompanhante por paciente internado, nos casos determinados por lei.
  2. Centro Cirúrgico: 1 acompanhante com mais de 18 anos.
  3. Serviços Ambulatoriais: Ultrassonografia, Raio X e Laboratório de Análises Clínicas: Para o paciente maior de 18 anos, não será permitido o acompanhamento de outra pessoa. Já para crianças e idosos, 1 responsável pode acompanhá-los.
Hospital São José (Arroio do Meio/RS)

Permissões por Setores:

  1. Unidades de Internação: 1 visitante, podendo estender a visita por 1 hora, das 14h às 15h.
    • Para os pacientes que tiverem acompanhante, a recomendação é intercalar com o visitante.
    • A permanência de 1 acompanhante por paciente internado, nos casos determinados por lei.
  2. Centro Cirúrgico: 1 acompanhante com mais de 18 anos.
  3. Centro Obstétrico: 2 acompanhantes.
  4. Serviços Ambulatoriais: Endoscopia Digestiva Alta, Ecografia, Raio X, Mamografia e Tomografia: Para o paciente maior de 18 anos, não será permitido o acompanhamento de outra pessoa. Já para crianças e idosos, 1 responsável pode acompanhá-los.
Hospital Independência (Porto Alegre)

Critérios para permanência de acompanhantes:

  • Pacientes menores de 18 anos, acima de 60 anos e pessoas com deficiências;
  • Pessoas sintomáticas respiratórias estão proibidas de acompanhar pacientes.

Critérios para visitantes:

  • Unidades de internação: as visitas estão temporariamente suspensas;
  • UTI: um visitante por dia com permanência de 30 minutos;
  • Proibida a entrada de menores de 18 anos;
  • Pessoas sintomáticas respiratórias estão proibidas de realizar visitação.

Critérios para acesso ao ambulatório:

  • Pacientes com sintomas respiratórios devem receber, ao ingressar na portaria, uma máscara cirúrgica para uso durante toda a permanência na Instituição;
  • Acompanhantes somente para pessoas menores de 18 anos, acima de 60 anos, pessoas com deficiências ou que necessitem de auxílio para locomoção.

Cirurgia eletivas:

  • Suspensão de cirurgias eletivas a partir de 23 de março.
Hospital Divina Providência (Porto Alegre)

Permissões por Setores

  • Área Cirúrgica: 1 acompanhante por paciente que realizará procedimento.
  • Centro Obstétrico: 1 Acompanhante em sala de parto sendo o mesmo na sala de recuperação
    Apresentação do bebê no visor da sala de espera: Não será liberada a entrada de familiares, exceto do acompanhante.
  • Emergência: Não será permitida visita para pacientes durante sua permanência na Emergência.
    Nas consultas, salvo nas situações previstas em lei, não será permitida a presença de acompanhante.
  • UTI 7 Adulto: 1 visitante no horário das 15h30min às 16h.
  • UTI Neonatal: Permitido 1 acompanhante.
  • Unidades de Internação:: Permitido 1 acompanhante nos casos previstos em lei: pacientes menores de 18 anos, com 60 anos ou mais ou incapazes.
  • Unidades COVID – UTI e Unidade de Internação: Não será permitida a realização de visitas.
    A permanência de acompanhante será autorizada nos casos previstos em lei e em situações excepcionais.
  • Centro de Diagnóstico por Imagem :Acompanhante de paciente: permitido 1 acompanhante nos casos previstos em lei.
  • Serviço de Endoscopia : Procedimentos sob sedação anestésica: 1 acompanhante será autorizado nos casos excepcionais e/ou previstos em lei.
    Centro Clínico.
  • Acompanhante de paciente: Permitido 1 acompanhante nos casos previstos em lei.
    Os pacientes deverão comparecer de 5-10 minutos antes do horário agendado para consulta, evitando aglomerações.
  • Centro de Infusões: Acompanhante de paciente: permitido 1 acompanhante nos casos previstos em lei.
  • Emergência e UTI Adulto: Não há acompanhantes.

Atenção:

Devido ao risco de crianças e idosos:

  • Menores de 18 anos: não será permitida a entrada (excluem-se desta orientação pacientes pediátricos, com consulta no Centro Clínico);
  • Idosos acima de 60 anos, preferencialmente, devem adiar sua visita.
  • TODOS os visitantes e acompanhantes devem respeitar as medidas preventivas ao Coronavírus: higiene de mãos frequente, distanciamento (mínimo de um metro), uso contínuo e adequado de máscara e permanência nas dependências do hospital pelo menor tempo possível. Aqueles que não aderirem às medidas de prevenção estarão suscetíveis às abordagens da equipe assistencial para adequação as condutas.
  • Situações especiais devem ser avaliadas individualmente pelas lideranças da área assistencial e setor de internação.

Perguntas Frequentes

1. O que é Coronavírus?

É uma família que causa, especialmente, infecções respiratórias. O novo Coronavírus foi identificado pela primeira vez na China, em 31 de dezembro de 2019, e causa uma doença chamada COVID-19.

2. Que doenças ele causa?

Esse vírus pode causar desde doenças bem leves, como um resfriado, até casos graves, com necessidade de internação em UTI.

3. Quais são os sintomas dessas doenças?

Os sintomas mais comum são febre, tosse, dores pelo corpo e dificuldade para respirar.

4. Como acontece a infecção por esse vírus?

A transmissão de Coronavírus acontece por via respiratória, assim como a gripe, por exemplo. Isso pode acontecer de maneira direta, pelo contato com secreções, ou indireta, através das mãos e por superfícies contaminadas com o vírus.

5. Qual a gravidade da doença causada pelo Coronavírus?

Em cerca de 80% dos casos a doença é leve e não requer internação hospitalar. Em 5% acontecem complicações graves e que necessitam de cuidado em UTI.

6. Existe algum tratamento?

Até o momento, não existe nenhum tratamento específico para essa doença. As medidas tomadas têm como objetivo aliviar os sintomas e oferecer suporte para tratamento das complicações relacionadas à doença.

7. Há alguma vacina que previna a infecção?

Até o momento, não existe vacina para prevenir o Coronavírus.

8. Que medidas podem ser tomadas para prevenir?

As principais medidas são:

  • evitar contato com pessoas com a doença;
  • higienizar as mãos com frequência (com álcool gel ou água e sabão);
  • usar lenço, preferencialmente descartável, para tossir ou espirrar. Não havendo lenço disponível, utilizar o antebraço para cobrir a boca, evitando o uso da mão;
  • evitar permanecer ficar em ambientes com aglomeração de pessoas;
  • manter os ambientes ventilados;
  • visitar instituições de saúde somente se for estritamente necessário;
  • não compartilhar objetos pessoais.
9. Deve-se preferir álcool gel ou água e sabão para higienizar as mãos?

As duas técnicas são eficazes, não há preferência de uma sobre a outra.

10. Quais são os cuidados que devo tomar ao tossir ou espirrar?

Usar lenço, preferencialmente descartável para cobrir a boca. Não havendo lenço disponível, utilizar o antebraço para isso, evitando o uso da mão.

11. Quem corre mais risco com essa doença?

Idosos e pessoas com doenças como hipertensão, diabetes, câncer, doenças respiratórias crônicas, cardiovasculares e com baixas nas defesas tem uma possibilidade maior de ter complicações.

12. Todas as pessoas com Coronavírus devem internar no hospital?

Não. A decisão de ser internado ou fazer acompanhamento ambulatorial depende da gravidade da doença.

13. Se conheço alguma pessoa infectada, devo tomar alguma precaução?

Deve-se evitar o contato com pessoas doentes. Se isso for imprescindível, a pessoa doente deve usar máscara no momento do contato.

14. Que cuidados uma pessoa diagnosticada com Coronavírus deve tomar?

A principal medida é seguir o isolamento domiciliar. A pessoa deve ficar na sua casa, preferencialmente no seu quarto, mantendo o ambiente ventilado.

15. Devo ter algum cuidado ao viajar de avião?

Durante o período de grande número de casos, devem-se evitar viagens desse tipo. Se ela for inevitável, o ideal é higienizar as mãos com frequência e procurar manter uma distância de pelo menos um metro de outras pessoas, principalmente se alguém tiver sintomas respiratórios.

16. O que posso fazer para me proteger ao usar o sistema público de transporte?

Higienizar as mãos com frequência, manter o ambiente ventilado, ter os cuidados com a tosse e espirros. Se a pessoa estiver com sintomas respiratórios, deve evitar o uso do transporte público.

17. Se eu sou profissional da saúde, quais cuidados devo ter atenção?

Deve-se fazer uso dos equipamentos de proteção individual: avental, luvas, óculos de proteção e máscara. Para o cuidado geral, deve-se usar máscara cirúrgica. Nos procedimentos que geram aerossóis, como intubação endotraqueal e aspiração de secreções, usa-se a máscara N-95 ou PFF-2.

18. Quando devo fazer teste para saber se estou com Coronavírus?

É recomendado fazer o teste apenas se há suspeita de doença, ou seja, se a pessoa tem sintomas compatíveis com essa doença.

19. Se estou doente, que sintomas devem me fazer procurar atendimento no hospital?

O principal sintoma que deve fazer você retornar ao hospital é falta de ar. Se você estiver com frequência respiratória maior que 22 movimentos por minuto, com a pressão arterial baixa ou com alteração do estado de consciência, principalmente se tiver sonolência, também deve buscar atendimento.

20. O uso de ibuprofeno pode causar algum problema para pessoas com Coronavírus?

Até o momento, não existe comprovação de problemas causados pelo uso de ibuprofeno em pessoas com essa doença. Em 18 de março, a Organização Mundial da Saúde emitiu um comunicado no qual não contraindica o uso dessa medicação em pacientes com Coronavírus. Se uma pessoa com essa virose sente-se insegura em relação ao uso desta medicação, pode substituí-la por algum outro antitérmico ou analgésico.

21. Existe algum serviço que ofereça informações sobre Coronavírus?

Informações atualizadas podem ser obtidas nos sites do Ministério da Saúde, da Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul e da Secretaria da Saúde do Município de Porto Alegre. Também podem-se encontrar informações pelos telefones 156, da Prefeitura de Porto Alegre, e 136, do Ministério da Saúde. Atualizações de casos do Brasil e RS podem ser obtidas no site do Ministério da Saúde e no Twitter da Secretaria da Saúde de Porto Alegre onde são atualizados os dados da cidade.

Doações

Com cinco hospitais distribuídos na Capital do RS e no Vale do Taquari, a Rede de Saúde Divina Providência busca a ajuda de pessoas físicas e jurídicas para fazer frente às estratégias de combate ao coronavírus.

As doações podem ser realizadas, por meio de depósito bancário ou boleto. Para mais informações: Viviane Cristina Schuh. doacoes@divinaprovidencia.org.br | Tel: (51) 3320.6000 Ramal: 6502. E, em cada hospital, na lista mais abaixo.

Hospital Independência – Porto Alegre
CNPJ: 87317764/0006-06
Banrisul – agência: 0047
CC: 06.071067.0-9

Hospital Santa Isabel – município de Progresso
CNPJ: 87317764/0007-89
Banrisul – agência: 1058
CC: 06.002070.0-3

Hospital São José - município de Arroio do Meio
CNPJ: 87297271.0001-39
Banco do Brasil - agência: 8326-7
CC: 151-1

Hospital Estrela - Município de Estrela
CNPJ: 87317764/0011-65
Banrisul – agência: 0214
CC: 06.062591.0-2

Hospital Divina Providência – Porto Alegre
CNPJ: 87317764/0010-84
Banrisul – agência: 0047
CC: 06.005316.0-9